Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

ADVENTÍCIO

Divulgação de pesquisas e acontecimentos raros e estranhos

ADVENTÍCIO

Divulgação de pesquisas e acontecimentos raros e estranhos

Qual é a doença que mais matou gente na história da humanidade?

Tudo indica que foi a malária. Estima-se que, descontadas as guerras e as mortes acidentais, essa doença foi responsável por metade dos óbitos da história da humanidade desde a Idade da Pedra, 600 mil anos atrás. "Na Grécia antiga, havia relatos de manifestações da malária. No auge do Império Romano, ela era comum na região do Mediterrâneo", diz a epidemiologista Diana Maul de Carvalho, da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). A cada ano, as várias espécies de mosquitos que carregam o parasita da doença contaminam 500 milhões de pessoas no mundo, das quais algo entre 1 e 3 milhões acabam morrendo. Existem também, é claro, epidemias de outras doenças que deixaram um rastro devastador na história humana. "Na Idade Média, a peste bubônica chegou a vitimar cerca de 25% da população da Europa", diz o epidemiologista Jair Ferreira, da UFRGS. Há ainda quem considere a fome uma doença, afirmando que ela causou mais mortes na história humana.

"Até o século 20, a cada 1 000 crianças nascidas 600 morriam de desnutrição ou de doenças causadas por ela", afirma Jair.

 

250px-Sintomas_da_Malária.pt.png

 

CIRURGIA REVOLUCIONÁRIA CURA DIABETES TIPO 2

Um médico espanhol conseguiu reverter a diabetes tipo 2 em milhares de pacientes obesos, através de uma cirurgia revolucionária que vem trazer uma nova esperança para os 382 milhões de pessoas que sofrem desta doença em todo o mundo. A técnica foi desenvolvida por Carlos Ballesta, médico do Hospital Ruber Internacional, em Madrid.

Os especialistas calculam que a doença afecte entre 250.000 a 500.000 portugueses, avança o agregador O Meu Bem Estar, mas muitos deles ainda estão por diagnosticar. Apesar dos avanços da investigação científica, estilos de vida mais sedentários e má alimentação contribuem para a proliferação da doença, principalmente no mundo ocidental.

Enquanto tratava os seus pacientes obesos, Carlos Ballesta, chefe da Unidade de Obesidade e Diabetes do referido hospital, descobriu que a cirurgia de redução de apetite desenvolvida por si permitia também reverter o problema da diabetes. Ao contrário do “bypass” gástrico tradicional, a técnica de Ballesta, chamada de cirurgia metabólica, actua na zona do intestino que está ligada ao cólon, onde actuam as hormonas que metabolizam a insulina. A taxa de sucesso da intervenção ronda os 97%, escreve o jornal espanhol ABC.

“Os resultados da cirurgia implementada são extraordinários”, refe o médico ao jornal. A intervenção é pouco invasiva, pois é feita através de laparoscopia, e não deixa cicatrizes no paciente. Como tal, é considerada uma operação de baixo risco e o paciente pode ter alta nas 48 a 72 horas seguintes.

A cirurgia só pode, no entanto, ser aplicada em pacientes com excesso de peso. “Todas as pessoas que tenham um Índice de Massa Corporal superior a 35 ou que apresentem um excesso de peso de cerca de 30 quilos e que sejam diabéticas, hipertensas ou sofram de alguma patologia relacionada com o excesso de peso, como por exemplo hérnias discais, são indicadas para esta cirurgia”, explica Carlos Ballesta.

Desde que desenvolveu a técnica, Ballesta já operou mais de 3.000 diabéticos em toda a Espanha.

cirurgia_SAPO.jpg

 Foto: Michael (a.k.a. moik) McCul / Creative Commons

Cientista encontra prova científica da existência da alma

O anestesista estadunidense Stuart Hameroff, da Universidade do Arizona, apresentou uma teoria científica que confirma a existência de vida após a morte, ou seja, a imortalidade da alma.

Segundo o anestesista, quando o coração humano pára de bater, as informações armazenadas no cérebro não se dissipam, mas continuam a se espalhar por todo o universo. Quando os médicos conseguem fazer voltar uma pessoa à vida, esta informação quântica, após ter estado no espaço, regressa ao corpo. Portanto, a pessoa lembra-se desta experiência incomum.

Segundo os cientistas, essa teoria explica o fato de os sobreviventes da morte clínica contarem sobre a existência de uma "luz branca" ou de um "túnel" por onde teriam passado.

alma_dimensao2.jpg

 

 

Dormir pouco faz tão mal à saúde como fumar

Leu bem. Um estudo da Organização Mundial da Saúde sugere que a repetição de noites com horas de sono a menos pode, da mesma forma que o tabaco, desencadear um enfarte ou um AVC

A investigação envolveu 657 homens, sem historial de doenças cardíacas, de uma cidade russa, e concluiu que quem sofre de alguma perturbação do sono e dorme sistematicamente menos de sete horas por noite tem quatro vezes mais probabilidades de sofrer um AVC do que os que têm, normalmente, uma boa noite de sono.

"Dormir não é uma coisa banal. As perturbações do sono foram associadas a um aumento significativo da incidência tanto de ataques cardíacos como AVC", alerta o professor Valery Gafarov, que acrescenta: "A falta de domir deve ser considerada um fator de risco para doenças cardiovasculares a par do tabaco, falta de exercício e uma má dieta."

O estudo da Organização Mundial de Saúde (OMS) faz parte um programa da instituição que investiga as causas das doenças cardiovasculares. Com início em 1994, o estudo avaliou a qualidade do sono dos 657 participantes, com idades entre os 25 e os 64 anos, acompanhado-os nos 14 anos seguintes. Quase dois terços - 63% - dos homens que tiveram um ataque cardíaco tinham também uma perturbação do sono.

Garafov apresentou as conclusões do estudo durante uma conferência em Dubrovnik, na Croácia.

 

cigarro-6277.jpg

 

Conheça o planeta de diamante

Parece mentira, mas não é. Um planeta com a massa igual a de Júpiter que orbita o recém-descoberto pulsar PSR J1719-1438 é provavelmente um diamante gigantesco.

Segundo os pesquisadores, a ultra-alta pressão do planeta fez o carbono em seu interior se cristalizar em diamante. E a estranheza não pára por aí. O planeta já foi provavelmente uma estrela, porém, a maior parte de sua massa foi sugada pelo seu companheiro pulsar, que está girando a uma taxa assustadora de "10 mil rotações por minuto". O nosso planeta Terra por exemplo, completa uma rotação a cada 24 horas.

A má notícia para as mineradoras de plantão é que esse planeta de diamante se encontra a cerca de 4.000 anos-luz da Terra, ou seja, se a humanidade tivesse tecnologia suficiente para viajar na velocidade da luz, levaríamos 4.000 anos para chegar até lá. Bom, no que depender de nós humanos, esse diamante ficará intacto por toda a eternidade, ou melhor, até que seu companheiro pulsar o permita.

Conhela o planeta de diamante.jpg

 

CIENTISTAS DESCOBREM PORQUE É QUE AS VIÚVAS NEGRAS SÃO TÃO LETAIS

A viúva negra é a mais temida das aranhas e agora sabe-se porque é que, afinal, o seu veneno é tão letal: é tudo uma questão de evolução.

Uma equipa de investigadores da Universidade de Massachusetts, nos EUA, em colaboração com outros especialistas norte-americanos e britânicos, chegou à conclusão que as viúvas negras são tão fatais porque evoluíram mais depressa do que as aranhas comuns.

A ideia está expressa num estudo que foi apresentado na Sociedade de Biologia Comparativa e Integradora, nos EUA, e que é divulgado pelo site ScienceDaily.

De acordo com esta análise científica, as aranhas comuns e as viúvas negras terão compostos tóxicos similares, mas as segundas terão evoluído de forma mais rápida, ao longo dos anos.

Todas as aranhas têm um químico comum, denominado latrotoxinas, mas as viúvas negras produzem alfa-latrotoxinas, substância esta que toma conta do sistema nervoso central das vítimas, dominando-o.

“Se se for picado por uma viúva negra, a alfa-latrotoxina viajará para as regiões pré-sinápticas dos neurónios e insere-se a si própria na membrana. Isto provoca que todas as vesículas dos neurónios despejem todos os seus neuro-transmissores. E isso é o que é mesmo doloroso”, explicaJessica Garb, uma das autoras do estudo, citada pelo ScienceDaily.

Isto é o mesmo que dizer que a alfa-latrotoxina obriga os nervos a libertarem todos os seus sinais químicos ao mesmo tempo, inundando o sistema nervoso central e causando uma dor extrema.

No âmbito do estudo, foi analisada a genética das aranhas e a composição do seu veneno, bem como outros factores, e concluiu-se ainda que as viúvas negras constroem teias mais fortes do que as aranhas comuns que lhes permitem prender presas maiores.

Os cientistas consideram que este é, contudo, apenas o início das imensas descobertas que esperam encontrar em torno das míticas e complexas viúvas negras.

aranha-viúva-negra.jpg

 

A PRISÃO MACABRA ONDE OS PRESOS ERAM COBAIAS HUMANAS

Durante décadas, dermatologistas e outros especialistas médicos conduziram experiências com substâncias radioactivas, alucinogénas e matérias tóxicos em presos de Holmesburg – muitos deles foram pagos para serem cobaias e outros, de acordo com as autoridades, ter-se-ão voluntariado.

Construída em 1895, a prisão de Holmesburg, Filadélfia, terá sido a mais controversa e violenta dos Estados Unidos. Nos seus 100 anos de história – foi desactivada em 1995 – ela acumulou rixas, greves de fome, experiências humanas e mortes inexplicadas.

Em 2011, mais de 15 anos após o último preso ter saído de Holmesburg, imagens publicadas em vários media provaram que o Governo norte-americano e os seus médicos utilizaram este prisão para testar substâncias químicas em pessoas – que foram cobaias de experiências.

Muito deles eram deliberadamente expostos a patogénicos que causavam infecções na pele – herpes e fungos que causam pé de atleta, de acordo com o livro Acres of Skin, de Allen Hornblum.

Entre 1951 e 1974, de acordo com o autor, os presos funcionavam como ratos de laboratório para mais de 30 farmacêuticas e agências governamentais. Muitos destes testes foram conduzidos pelo dermatologista Albert Kligman, que escreveu centena de relatórios científicos em doenças comuns no nosso dia-a-dia, segundo o The New York Times.

prisao_j.jpg

 

NARCOLEPSIA E CATAPLEXIA CANINA

Narcolepsia e cataplexia são doenças do sistema nervoso. 

  • Narcolepsy ocorre quando um animal sofre de sonolência diurna excessiva, falta de energia, ou breves perdas de consciência. Os episódios são breves e desaparecem por si mesmos. 

 

  • Cataplexia é caracterizada por paralisia muscular súbita sem perda de consciência. O animal permanece alerta e pode acompanhar o movimento com os olhos durante todo o episódio. Cataplexia é semelhante a narcolepsia, em que os episódios são espontâneos, breve, e reversível. Esses distúrbios são relativamente comuns em cães.

 

  • Sintomas e Tipos 

 

Um cão que tem uma dessas condições não terá sempre todas as condições secundárias ou subjacente a ele relacionados. Um exame físico tipicamente mostram normais respostas físicas e neurológicas, sem anormalidades óbvias. Esta não é uma doença fatal, mas é uma que requer atenção e consciência. Episódios de narcolepsia e cataplético pode durar de alguns segundos até 30 min, muitas vezes ocorre quando o cão está comendo, brincando, animado, ou está envolvido em atividade reprodutiva. Momentos de grande emoção desempenham um papel em ambas as condições e no aparecimento de um episódio.

Durante um episódio de narcolepsia, o cão afetado entrará em colapso. É como se o cão, de repente, cai em um sono profundo. Movimento do olho fechado continua, como se o cão estava em fase de sono REM. Durante um episódio cataplético, o cão está em um estado paralisado, embora seus olhos permanecem abertos, e tem o controle sobre o seu movimento dos olhos. O cão permanece consciente e consciente do que está acontecendo ao seu redor durante esse tipo de episódio. Tipicamente, o cão irá sair de um episódio em resposta a outros estímulos externos, como quando ouve sons altos, ou quando é acariciado.

Alguns dos sintomas usuais de narcolepsia e cataplexia são:

Rápido início de episódios, sem nenhum aviso aparente de colapso iminente
Perda súbita de consciência
Paralisia dos membros, cabeça, e tronco
O movimento dos olhos, espasmos muscular, e choramingando durante os episódios
Episódios geralmente acabam quando estimulados por acariciar, ruídos altos, etc.

Causas

Hereditária em Labrador retrievers, poodles, dachshunds, e doberman pinschers
O envolvimento do sistema imunológico possível
Desordem nervosa
Idiopática (desconhecido)

Diagnóstico

Seu veterinário irá realizar um exame físico completo, incluindo um perfil químico no sangue, um hemograma completo, um exame de urina, e um painel de eletrólito para descartar doenças subjacentes. Você vai precisar dar uma história completa da saúde do seu cão, o aparecimento dos sintomas, e possíveis incidentes que possam ter precipitado essa condição. Se é possível filmar um ataque narcolépticos ou cataplético, pode ajudar você e seu veterinário para encontrar um padrão previsívelque leva até os episódios. Se há uma atividade que parece provocar os episódios, o veterinário vai tentar simular a atividade de modo que um episódio pode ser observado no consultório. O teste da comida para induzir a cataplexia pode também ser realizada, pois muitos animais, com cataplexia tem ataques ao comer.

shutterstock_143831011.jpg

 

 


 

Seita que mais cresce no mundo é culto à Santa Morte

Movimento religioso tem se espalhado pela América Latina

 

O culto à Santa Muerte ou Nossa Senhora da Santa Morte, como prefere seus devotos, é considerado hoje a seita que mais cresce no mundo. Os estudiosos acreditam que ela já reúne entre 10 e 12 milhões de seguidores; seis milhões só no México.

Andrew Chesnut, professor da Universidade Commonwealth da Virginia e pesquisador da religião no continente americano, explica que embora siga uma antiga tradição, esse movimento religioso oficialmente só tem 12 anos. Ele acaba de publicar o livro “Devoted to Death”, uma das primeiras obras acadêmicas sobre o culto.

Antes de 2001, a adoração de Santa Muerte era algo clandestino. Seus devotos construíam santuários pessoais escondidos dentro de casa. Quando Enriqueta Romero abriu o primeiro santuário público a santa no bairro de Tepito, na Cidade do México, deu início a uma rápida expansão de novos templos para Santa Muerte em todo o México, na América Central, e várias metrópoles dos EUA com grandes comunidades latinas.

Existem registros que a seita já chegou até Japão, Austrália e Filipinas. “Não há outro novo movimento religioso que possa competir com a velocidade desse crescimento”, afirma Chesnut. O mais curioso é que o crescimento é espontâneo. Diferentemente da maioria das seitas, não há um sistema organizado, nem líderes mundiais carismáticos. Aos poucos tem ganhado visibilidade na cultura pop, como parte do roteiro do seriado Breaking Bad ou personagem na animação infantil “O Livro da Vida”.

A origem de Santa Muerte não é totalmente clara. O mais provável é que se trata de uma combinação de crenças do catolicismo espanhol com a deidade asteca Mictecacihuatl, a rainha do submundo. A figura tétrica não deixa dúvidas que se trata da morte, mas não se sabe exatamente quando ela começou a ser chamada de “Nossa Senhora”. Ela possui diferentes representações, sempre com o rosto e as mãos de um esqueleto, sendo a mais comum a que aparece vestida de noiva.

Para os devotos, Santa Muerte tem um papel sincrético claro: além de ser uma santa de devoção como as outras, também faz trabalhos espirituais. Steven Bragg, devoto desde 2010, que lidera uma igreja de Santa Muerte em Nova Orleans conta que pode-se rezar a ela, pedindo orientação, como a todos os outros santos católicos. Contudo, Bragg ressalta que os que desejam o favorecimento ou ajuda das “forças sombrias”, existem rituais específicos, que podem utilizar rezas, velas, ofertas de comida ou até de sangue.

Segundo Chesnut, seu aspecto sombrio faz com que “as pessoas sintam-se mais confortáveis ​​pedindo favores a ela que provavelmente não pediriam a outros santos católicos”. Talvez por isso, ela se tornou a santa padroeira dos traficantes e todos os tipos de marginais. Como personifica a morte, para muitos representa proteção, justiça e uma passagem segura desta vida para o além.

Outro grupo que encontrou acolhida entre os defensores de Santa Muerte é a comunidade LGBT. Muitas vezes rejeitados pelos grupos religiosos, encontraram apoio na figura da morte. Bragg afirma “eu diria que, dentre os devotos dela, o percentual de LGBT é um pouco maior”.  O motivo para essa popularidade entre os grupos mais excluídos? “A morte vem para todos”, assevera Bragg, “A morte não discrimina ninguém”.

A Igreja Católica oficialmente não a reconhece como santa. Pelo contrário. Em maio de 2013, o cardeal Ravasi, presidente do Conselho Pontifício do Vaticano para a Cultura, condenou o culto à Santa Muerte, chamando-o de “uma blasfêmia contra a religião cristã”. Líderes cristãos de todo o México usaram diversas vezes o adjetivo “satânica” para falar dessa seita.

Em troca da proteção contra os policiais, os traficantes oferecem sacrifícios humanos para Santa Muerte, o que deixa a situação da população mexicana ainda mais vulnerável. “Há uma infestação de demônios no México porque nós abrimos as portas para esse tipo de crença”, lamenta o padre exorcista Francisco Bautista.

A sua explosão de popularidade no México reconhecidamente acompanhou o crescimento dos carteis mexicanos do narcotráfico que desde 2006 confrontam o governo. A violência no país, que chega a quase 80 mil mortes anuais, acabou sendo um fator de identificação para a população em geral. “Afinal, quem melhor para pedir mais alguns grãos na ampulheta da vida do que para a própria morte?”, questiona Chesnut. Com informações de VICE [2]

il-culto-della-santa-morte-621123.jpg

 

 

Massagem com cobras Pythons

Um zoológico nas Filipinas oferece uma massagem no mínimo perigosa, com várias cobras! Todas as cobras pesam juntas 250kg.

As cobras tem até nome: Michelle, Walter, EJ e Daniel. Antes da massagem elas comem 10 galinhas para evitar qualquer “acidente”. Uma massagem terapêutica e relaxante que dura por volta de 15 minutos.

a98978_massage_1-python.jpg